A Aprendizagem Situada nas Comunidades de Prática: Uma Aproximação Fenomenológica

Alvino Alvino Moser, Elton Ivan Schneider, Luciano Frontino de Medeiros

Resumo


Trata-se neste artigo da aprendizagem, por meio de, ou nas comunidades de prática virtuais, e, de acordo com a concepção de Wenger, na proximação com a perspectiva fenomenológica. Comunidades de prática são grupos de pessoas partilhando conhecimentos comuns e que procuram aprofundar seu conhecimento interagindo de forma permanente. A aprendizagem se processa pela pertença à comunidade, pelo aprender na prática, pelo significado que possuem na experiência, com a aprendizagem criando e formando a identidade. Lave e Wenger fundamentam o aprender segundo a epistemologia sócio-interacionista. A fenomenologia considera o homem como “um-ser--com-o-outro” no mundo. A comunidade virtual, por sua vez, constitui um mundo. Mundo é o que constitui o horizonte da existência, de onde se retira o sentido de existir e do ser e que, portanto, emoldura a aprendizagem. Sendo um mundo virtual, este possui características próprias, por ser um modo de “ser-com”, que precisam ser descritas. No mundo virtual, os membros da comunidade conectados se tornam pessoas forjando sua identidade, de modo diferente da socialização face a face. Finalmente, a epistemologia fenomenológica preconiza um “ir-às-coisas-em-si” por meio das epochê (reduções), cujo transcendentalismo é impossível. A partir das interações nas comunidades de prática, pode-se alcançar a objetividade de modo assintótico por meio da intersubjetividade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol9n2.103

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Informática Aplicada - USCS/UFABC